Contraste

SPFs protocolam reivindicações do funcionalismo público federal

Por Comunicacao
21 de Fevereiro de 2018 às 14:31

Lançamento da Campanha Salarial 2018 destaca a luta em defesa do serviço público e da Categoria


Na tarde desta segunda-feira, 19, representantes  do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) e do Fórum Nacional Permanente  de  Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) protocolaram as reivindicações do funcionalismo público Federal no Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG). Os diretores Gibran Jordão e Lázaro Rodrigues representaram a FASUBRA Sindical.

Os servidores públicos federais presentes realizaram um ato em frente ao ministério com faixas, bandeiras, carro de som, gritando palavras de ordem: “FORA TEMER”.

Abertura de negociações

O documento de sete páginas encaminhado ao ministro do Planejamento, Dyogo Henrique de Oliveira, retrata o descumprimento de cláusulas de acordos firmados em 2015. As entidades responsabilizam o governo, caso o orçamento de 2019 seja aprovado neste ano, sem a abertura de negociações, “podendo colocar em risco o comprometimento das políticas públicas perante a sociedade da esfera de competência do governo federal”.

De acordo com o ofício, a abertura de negociações da pauta dos trabalhadores é um dever  garantido pela Constituição Federal.  A pauta da Campanha Salarial 2018, reivindicações referentes à Previdência do funcionalismo público, condições de trabalho e os eixos gerais foram detalhados, com destaque à composição de uma mesa de negociação urgente e calendário de reuniões.

Confira a pauta protocolada.

Para a FASUBRA, é um dia de luta muito importante onde os trabalhadores retomam toda força da campanha salarial e contra a reforma da Previdência, justamente no dia em que o governo Temer e Congresso Nacional devem aprovar o decreto que institui uma intervenção militar nas instâncias de segurança público do estado do Rio de Janeiro.

“Esse governo vem atacando direitos sociais e democráticos e nós precisamos organizar em unidade com as centrais sindicais, movimentos sociais, o funcionalismo e trabalhadores da iniciativa privada a nossa resistência”, afirmou Gibran Jordão.

Para o coordenador é necessário construir atos para o dia 28 de fevereiro e criar condições para uma Greve Geral no país. “Só com uma Greve Geral nós vamos, de fato, barrar de vez toda essa ofensiva do governo Temer aos direitos sociais e democráticos”, finalizou Jordão.  

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

Fonte: Fasubra.

314 visualizações, 1 hoje

SINTUFES NA MÍDIA